domingo, 13 de junho de 2010


Vòdún Dà

para nós, pertencentes a nação djèdjè máhí, trata-se do maior vòdún dentro do culto. A família Dàn Gbírá é composta por vòdúns reais, todos eles com sua importância para os povos fón. Dizem os mais antigos que, existem 3 reis e patronos da nação djèdjè: Dàn gbé, Sògbò (ou Hèvíòsò) e Ázènádò. Assim como òdé tem sua importância para álákètú, e Kitembo tem sua importância para a Angola, esses três reis seriam a grande potência da nação, sendo reverenciados e cultuados por todos os vòdúnsís, independentes de seus vòdúns. Dentre esses três reis, se destaca Dàn Gbé por ser o primeiro deus a existir na terra e a partir dele tudo nascer. Dàn gbé é a serpente da vida, aquela cujo morder a própria cauda deu origem ao movimento de rotação e translação da terra e a partir daí, sendo possível a existência de vida no planeta. Dán gbé deu origem à dois outros vòdúns Dàn: Áídò Wèdò e Dàn gbállà. Àídò Wèdò seria o próprio arco-íris ou a serpente arco-íris e Dàn gbállà seria seu reflexo nas águas. Dan Gbé também teria dado origem a Mawú e Lísá, a lua e o sol respectivamente e a partir da união desses grandes voduns que surgiram os demais e a terra foi habitada. Logo Dan seria a origem de tudo no planeta, sendo responsavel por sua existência e por sua habitação. Dentro da nação Djèdjè, Dan é o maior vodun e a serpente seu maior símbolo, sendo a representação viva de seu poder. A serpente representa o movimento e o dinamismo, uma vez que consegue se locomover com extrema facilidade e habilidade sem ser provida de patas ou outros membros; representa também a transformação, a evolução e a metamorfose, uma vez que troca de pele e se renova com frequência para poder crescer e se expandir; além de ser uma hábil caçadora e algumas espécies serem detentoras de poderosos venenos, mostrando seu poder e ao mesmo tempo exigindo cautela e respeito por parte dos demais animais e até mesmo nós seres humanos. Dan não é só representado pela serpente mas também pelo arco-íris que da mesma forma, possui grande significado para os dahomeanos uma vez que, sua presença nos céus é presságio de que não irá mais chover além de encantar pela sua beleza. No antigo Dahomey, são inúmeras as lendas que mistificam a natureza dessa divindade, sempre enaltecendo sua grandeza, sua realeza e seu poder. Muitos são os voduns que compõe a família Dan gbírá, sendo Akolo Gbesén (também chamado de bafono ou Aholo) o mais conhecido e louvado, sendo seu nome sinônimo da própria Dan. Destacam-se também Akotokwén, um dos voduns mais velhos dessa família e pai de outros voduns Dan, Frekwén, íjíkú, òjíkú, ìyèwá, Dan ikó, Azenadô, dentre outros, cada um com sua particularidade e mitos. Na iniciação de um vodun Dan o sacerdote tem todo cuidado para inciar o vodun em sua fase humana pois, sua fase serpente é muito perigosa e incapaz de entender os sentimentos, sendo apenas invocada em rituais e determinados atos. A grande festividade para esse vodun é o Gboitá, ritual realizado no início do ano e que envolve todos os demais voduns, cada um recebendo as oferendas cabíveis e sacrifícios em seus Atisás (árvores sagradas com assentos). Após o Zandró, todos os voduns são invocados e já saem vestidos no arrebate, não existindo roda para invocá-los na sala. Seu presente, o gbòitá é carregado por Ògún (togun) e depois posto aos seus pés, iniciando assim o ano e agradecendo pela vida e por todo seu poder. O àndè (poço) é seu principal símbolo e é indispensável dentro de uma casa de ásé. O poço simboliza a abundância (uma vez que enquanto tiver poço, se tem água e nunca faltará), além de representar um portal, entre o mundo subterrâneo e o nosso mundo, extraindo água do interior da terra, unindo de certa forma, ambos os elementos. Dan simboliza a riqueza, a prosperidade e a abundância. Une o macho e a fêmea, sendo sempre cultuado em casal e recebendo como sacrifícios animais de ambos os sexos. Dizem os mais antigos que serpente nunca anda só, onde uma está a outra está por perto, a espreita. Para os iorubás Dan é chamado de Òsúmárè, deixando de exercer função de rei para ser súdito de Sàngò (divindade do fogo e trovões). Segundo os mitos iorubás, òsúmárè leva água para o castelo de Sàngò, no alto das nuvens, representando a devolução, trazendo água da terra para o céu e vice-versa. Essa transformação de Rei para súdito se dá pelo fato de conflitos entre povos Dahomeanos e povos iorubás, onde ambos sempre tentavam invadir suas cidades e escravizar seus habitantes. O fato é que Dahomey e demais povos iorubás sempre guerrearam, gerando uma aglutinação de cultos e distorção de fatos. Dan é o grande Deus da transformação, senhor da vidência juntamente com Fá (vodun similar ao òrísá Òrúnmíllá dos povos iorubás) englobando tudo o que se diz respeito ao presente, passado e futuro. Representa a sorte, a versatilidade e o conhecimento, sendo a divindade do raciocínio e da expansão. Tem como colares o brájá (feito de búzios devidamente encaixados lembrando escamas de serpente, representando a realeza e a riqueza) e o húnjèvè, sendo este dado apenas aqueles cujo processo de iniciação está completo, com suas obrigações pagas (òdú kíní, òdú ítá e òdú íjè) representando a maior idade e sendo o único colar que vai com o neófito mesmo após sua morte, como se fosse uma espécie de "senha" para ser recebido no mundo dos voduns. Seu simbolo é o Draká, seta adornada com duas serpentes mas, não é errado vermos alguns voduns Dàn com outras insígnias em suas mãos tais como Adaga, òfá, garras, ágbégbé. variando conforme conhecimento do sacerdote e caminhos do vodun. Sua vestimenta varia conforme vodun, mas sua cor preferida é o branco, por simbolizar a união de todas as cores.

Saudação: Aho gbo gboy Dan!
Sincretismo: São bartolomeu;
Oferendas: Batata doce, banana da terra, etc;
cor: Verde e amarelo; Amarelo e preto;
Número: 14 (quatorze);
òdú regente: íká;
Algumas ervas: ákòkò, pente de òsúmárè, melão-de-são-caetano, etc;
Dia da semana: terça-feira.


Um comentário: