quinta-feira, 5 de maio de 2011


Íyèwá
é o vodun que representa tudo o que é virgem e inexplorado. Reune características do clã Dan gbírá, sendo filha de Azansú ou como também é chamado Azonse. Muitos são os ítàns sobre essa divindade e sua importância mitológica tanto para os povos iorubás quanto para os fóns porém, cultuada diferentemente por cada um dos povos citados. Para os fóns, ìyèwá é uma serpente avermelhada, muito venenosa, porém que encanta devido suas cores fortes e vibrantes. Alguns ítàns citam-na como filha de Azansú e outros como filha de Akotokwén, sendo nesse ultimo caso, irmã de Akolo Gbesén. Íyèwá também seria um arco-íris que fica entorno da lua, sendo uma das sacerdotizas do culto a Mawú. Está diretamente ligada ao culto aos ancestrais, sejam masculinos ou femininos, usando em suas vestimentas a palha da costa vermelha, adornos com buzios e cabaças. Tem como simbolo uma cabaça de cabo longo adornada com palha da costa e búzios, usando também draká, garras, òzí (seta) e òfá. Seria a divindade das enseadas, estando coligado ao elemento água e terra. Dificeis são seus filhos, se tornando um vodun raro de ver manifestado e iniciado. O tabu de ser uma divindade feita apenas em mulheres e virgens, fez com que cada vez mais seja dificil iniciá-la em um neófito, uma vez que com o passar dos tempos, as meninas vem tendo relações mais cedo e poucas são as famílias dispostas a iniciar suas filhas quando crianças, a não ser quando acontecem problemas relacionadas a integridade física das mesmas. Outros sacerdotes garante existir ègbós capazes de permitir a feitura de uma neófita de íyèwá mesmo não sendo mais virgem porém, são poucos os que assumem ou que ouseram fazê-lo, enquanto outros preferem fazê-las de Òíyá ou Òsún. Trata-se de uma divindade misteriosa, cercada de tabus e que ao longo do tempo muito se perdeu sobre sua história e culto. Sua origem é dahomeana porém seu culto se extendeu até a Nigéria, sendo louvada como esposa de Òdé pelos povos iorubás. Tal fato se dá devido a divergência entre Dahomey e povos iorubás, existente desde a antiguidade. Segundo os mitos íyèwá teria se apaixonado pelo rei dos Iorubás, Òdé o grande caçador, e teria saído de Dahomey e ir morar com seu amado. Isso teria despertado a fúria de Azansú, seu pai e um dos grandes reis de Dahomey, expulsando de vez íyèwá da nação e proibindo seu culto na mesma. Outros ítàns dizem ainda que Azansú com raiva pela traição de sua filha por ter ido morar com o rei da nação rival, teria enterrado-a em um formigueiro para que as formigas lhe devorassem, deixando terríveis cicatrizes em íyèwá que com vergonha passou a se cobrir com filá de palha da costa. O fato é que, em determinadas casas de culto djèdjè não se cultua íyéwá devido a esse ítàn (lenda), temendo a fúria de Azansú sobre a casa. Outros ítàns ligam íyèwá a òrúnmíllá, segundo eles, ela teria enganado a morte salvando-o e em troca ele teria ensinado-a o segredo dos mistérios de Ìfá e poder da vidência. Íyèwá tem muito fundamento com íkú e muitos são os òròs no ígbálé necessários para iniciá-la, tornando ainda mais difícil sua feitura nas casas de ásé uma vez que, falta cultura para muitos zeladores do culto. No Ketu, Íyèwá é tida como uma grande caçadora, que vive nas matas juntamente com Òdé seu marido. Tem ligações com Òsún e com Òsúmárè, sendo a representação do lado fêmea da serpente, enquanto que òsúmárè representaria o lado macho. Ìyèwá simboliza a pureza, o inexplorado e o encanto. Rege o lado puro do amor, o movimento e a abundância obtida pela caça, garantindo o alimento do dia-a-dia. Seu poder é imenso em ambas as nações e seu culto encanta devido a tantos tabus e mistérios relacionados a sua origem e iniciação.
Saudação: íhó! Ahò gbò gboy! Íyèwá sí lé!
sincretismo: Santa Luzia;
Oferendas: batata doce, banana da terra, ásòsò;
cor: vermelho e amarelo;
Número: 15 (quinze);
òdú Regente: ògbéògúndá;
Algumas Ervas: erva de santa luzia, òsígbátá, etc.
Dia da semana: quinta-feira.


4 comentários:

  1. meu querido ,seu comentario ,lindo ,maravilhoso ,e nos passa segurança ,e quem mergulha em busca de mais conhecimentos,parabens,e muto axé em sua caminhada ,paulinho de aira (obalojí).

    ResponderExcluir
  2. obrigado meu irmão! Fico honrado e agradecido por sua visita em meu blog e lisonjeado por seu comentário. Um grande abraço e que Áíyrá lhe cubra sempre de bençãos e o mantenha essa pessoa maravilhosa!

    ResponderExcluir
  3. Desconheço Draká (tido como símbolo real da Nação Jeje Mahi no Brasil.sendo compartilhado por Bessem, Sôbo e Ajunsun - os três reis do Mahi) como símbolo do Orixá Yewá, inclusive muitos sacerdotes antigos dizem não existir culto à essa Divindade no Jeje. Se convencionou considerar Yewá como Divindade Fon, mas a verdade é que sua origem é nagô.
    Apesar de seu culto nunca ter se perdido no Brasil, é um grande questionamento porque passou desapercebido pelos antigos pesquisadores ao longo dos tempos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois bem caro amigo Wanderley. É de meu conhecimento que o djeje Matriz não inicia Íyèwá (kpó ejí, Seja Unde e Zogoogo Bogun) mas, quando em meu blog posto sobre uma determinada divindade, não falo somente baseado no djeje mas sim numa visão mais ampla de culto, ou seja, como ela é vista a nível candomblé independente da nação. Da mesma forma que a nação djeje passou a iniciar òrísás que não são iniciados nas casas matrizes, tais como Òlóògúnèdé, Ògbá, etc, aqui no Rio de Janeiro costuma-se iniciar vodunsis para Íyèwá. Talvez por uma coligação com o vodun Dan, ou para mostrar sua origem, já vi em muitas casas Íyèwá carregar como paramenta o dráká. Concordo com você que a origem do culto a Íyèwá é desconhecida, e que muitos afirmam ser uma divindade Fon porém é uma dúvida ainda dos historiadores. Pelo certo ou pelo errado, prefiro seguir os mais antigos e postei aqui baseado em meu conhecimento, de tudo o que foi me passado durante meu tempo de pesquisa. Um grande abraço, kolofé!

      Excluir